CONTATOS: (88) 3613.1000 / (88) 9 9615.0901 / (88) 9 9696.7018 - Clique AQUI e saiba mais...
PREÇO IMBATÍVEL! Vende-se CASA NOVA no Renato Parente. Contatos: (88) 9 9821.6636 / 9 9269.8424. Clique AQUI e saiba mais...

sábado, 14 de maio de 2016

Ministério Público convoca Roberto Cláudio para explicar situação de descaso no IJF

Mesmo com fotos de pacientes sendo atendidos no chão, o prefeito Roberto Cláudio negou falta de estrutura, e justificou problemas no "fluxo de processos".
O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, foi convocado para discutir a situação estrutural e de atendimento do Instituto José Frota (IJF), na próxima terça-feira (19), com o Ministério Público do Ceará. Desde 2014, a Procuradoria da República no Ceará, vinculada ao MP, apura denúncias de precariedade no atendimento aos pacientes do hospital.

Além de Roberto Cláudio, devem comparecer: a secretária de Saúde do Município, Maria do Perpétuo Socorro Breckenfeld; o superintendente do IJF, Francisco Walter Frota de Paiva; e o chefe do Serviço de Auditoria do Ministério da Saúde no Ceará, Maria do Socorro Pinto Brígido.

A convocação aconteceu logo após serem noticiados relatos de que pessoas estariam internadas nos corredores do hospital devido à falta de leitos, além de um paciente ter sido atendido no chão da sala de reanimação da unidade hospitalar. Além disso, uma auditoria do Sistema Único de Saúde (SUS), realizada ainda em julho de 2014, foram identificados inúmeros problemas estruturais no hospital naquela época.

Com o relatório enviado pelo SUS em mãos, o procurador Macedo Filho pediu a resolução de problemas como o atendimento de pacientes em pós operatórios realizados em macas instaladas no corredor do IJF, o serviço de diagnóstico por imagem funcionando em condições insatisfatórias, prontuários de pacientes internados no setor de urgência e emergência com registros incompletos, equipamentos e materiais insuficientes para leitos de retaguarda, entre outros.

Declaração

Roberto Cláudio já se posicionou em relação ao caso do IJF. Para ele, houve falha no fluxo de processos e não falta de macas, como foi noticiado. Ele, com formação de médico, classificou o atendimento como desumano e degradante, porém ressaltou que o caso representa uma exceção dentro do histórico do IJF.

“Para evitar que, em momentos de pico e urgência extrema, fatos como esse se repitam, o hospital já adquiriu 48 macas para reserva técnica. Vai garantir a disponibilidade 24h de macas no pátio e vai também aprimorar o serviço de triagem de pacientes que acessam o hospital, caminhando ou não”, garantiu.

Com informações do Portal Tribuna do Ceará
Foto: Divulgação

1 comentários:

bom é a rapidez, auditoria feita em 2014 e estamos em 2016.

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More