CONTATOS: (88) 3613.1000 / (88) 9 9615.0901 / (88) 9 9696.7018 - Clique AQUI e saiba mais...
PREÇO IMBATÍVEL! Vende-se CASA NOVA no Renato Parente. Contatos: (88) 9 9821.6636 / 9 9269.8424. Clique AQUI e saiba mais...

terça-feira, 2 de agosto de 2016

100 dias de greve: cumprir ano letivo ainda é incerteza

Ao todo, 20% das 709 unidades da rede estadual têm algum tipo de paralisação,total ou parcial.
A greve dos professores da rede estadual chega hoje ao 100º dia. Embora o calendário de retomada das aulas do segundo semestre tenha entrado em vigor ontem, o cumprimento do ano letivo em 2016 ainda é incerto para cerca de 20% das 709 instituições da rede, com paralisação total ou parcial, segundo balanço da Secretaria da Educação do Estado (Seduc). Com cerca de 15 rodadas de negociação, no entanto, a Pasta estima que o movimento reduza cada vez mais até finalizar por completo.

Das escolas ainda sem aula de forma total ou parcial, 50% estão em Fortaleza e 60% no município de Russas, segundo informou o secretário de educação do Estado, Idilvan Alencar. Para ele, a última proposta apresentada à categoria, no sábado (30), é encarada como definitiva. "Eu tive mais de 15 reuniões e com 80% das escolas em atividade, nós entendemos que eles estão voltando às aulas", diz.

Revela, contudo, ainda manter o foco sobre as instituições ainda sem atividade, destacando o trabalho de reposição do conteúdo, que deve se estender aos sábados e no mês de dezembro. "Se uma escola só tiver sem aula, nós vamos estar preocupados. Estamos o tempo todo conversando com diretores, com professores, com alunos, atendendo pauta de aluno para que a gente consiga minimizar cada vez mais esse problema".

Conforme notificação do Ministério Público do Estado, a Seduc já havia garantido o cumprimento dos 200 dias letivos na reposição das aulas. No entanto, na avaliação da secretária executiva do Conselho Estadual de Educação (CEE), Ana Nogueira, a reposição completa para este ano é praticamente inviável. "A lei exige que a escola cumpra 800 horas distribuídas em no mínimo 200 dias letivos, mas isso não contempla provas nem outras atividades. Cerca de 50 dias já foram prejudicados no primeiro semestre, então mesmo que se incluam sábados e feriados, certamente os alunos entrarão em 2017 cumprindo a carga horária de 2016", ressalta.

O presidente do Sindicato-Apeoc, Anísio Melo, disse ontem ainda não ter fechado o levantamento das escolas sem atividades, mas destaca que a direção trabalhará ao máximo para resolver o impasse. "Vamos fazer consultas abertas da categoria com quem já voltou, com quem está pensando em voltar, com quem não quer, para termos uma avaliação real da disposição de continuar a luta".

O sindicato realiza plenária hoje, diz o professor, para definir um calendário de encontros zonais na Capital e Interior, visando um consenso. A expectativa é que a próxima assembleia aconteça no dia 12 de agosto.

Na Escola Telina Barbosa da Costa, em Messejana, uma faixa onde se lê "Professores em greve" foi fixada no portão de entrada. Segundo alunos da instituição, ela foi desocupada há cerca de duas semanas, mas ainda não há previsão de retorno para as aulas por conta da greve dos servidores. Procurada, a direção não quis se pronunciar.

Movimentação

Os portões estavam trancados com cadeado e nenhum carro podia ser visto no estacionamento da Escola Estadual Deputado Paulo Benevides, em Messejana. Conforme uma comerciante da área, não houve movimentação de alunos durante toda a manhã. Embora ela tenha afirmado que um vigilante guardava o local, ninguém atendeu ao chamado da equipe.

Na mesma rua, a Escola Estadual José de Barcelos não paralisou as atividades durante o primeiro semestre e deve concluir o ano letivo no tempo regular, em dezembro. Já o Liceu de Messejana se mantém ocupado por estudantes há quase três meses e, segundo eles, continuará assim por tempo indeterminado.

Mesmo com greve de 10 dos 27 professores, a Escola Estadual Paulo Ayrton, em Cajazeiras, retomou as aulas para os 370 alunos. No entanto, segundo o diretor Adriano Bandeira, foi preciso reduzir o horário normal de cinco para quatro aulas diárias e fazer um rearranjo na função de alguns funcionários.

De acordo com a Seduc, o Estado tem 30 escolas ocupadas, sendo 28 na Capital, uma em Limoeiro do Norte e uma em Sobral. No dia 6 de maio, a greve foi suspensa pelo Tribunal de Justiça do Estado (TJCE) sob pena de multa de R$ 3 mil ao dia por descumprimento do retorno ao trabalho. O sindicato Apeoc entrou com recurso, mas até o momento não recebeu o resultado. A reportagem entrou em contato com o TJCE, mas até o fechamento desta edição não recebeu detalhes do processo.

Fonte: Diário do Nordeste

7 comentários:

Sr. Camilo Santana resolva essa situação, os professores aguardam um posicionamento do governador.

O que falar de um País que não valoriza nem seus professores ?
Mais para eles o que é um simples professor ? Nada não é mesmo? Pois bem, todos seus filhos estudam em escolas particulares com o nosso dinheiro, se existe uma raça mais nojenta sem escrupulos é essa de políticos. Não todos mais com toda certeza a maioria.

COM TODO ESSE TEMPO PERDIDO A EDUCAÇÃO CEARENSE ESTAR "100 FUTURO".

É triste essa situação que envolve a Educação Pública do nosso Estado. O governo Camilo é um fiasco. Fraco é apelido. Os professores pedem 13%; aí vem esse governador fraco e quer dar 2%. É uma situação humilhante. Mas com certeza o governador deve está feliz com isso. A preocupação dele é com as organizações criminosas que mandam e desmandam no Ceará. E o lema do PT (Partido dos Trambiqueiros): "Pátria Educadora". Pura safadeza desse partido. Educação cheia de problemas. Para terminar...PT NUNCA MAIS !!!!!!

Sr.camilo Santana,se ponha no lugar dos professores q ganha mal, trabalha muito é xingado,humilhando, maltratado, ameaçados, eles só estão pedindo por salários melhores, vcs políticos não estão nem ia pra nós estudandes de escola pública os filhos de vcs estudam em escola particular por isso tão as Costa pros professores , sem atender os pedidos deles, o governo tem dinheiro pra tudo menos pra educação.

Camilo, troque o valor de seu salário pelo valor do salário de um professor!!!

O que mais me chama atenção diante dessa situação, é que o povo ainda vota
nos candidatos apoiados por esse desgovernador Mentindo Santana.

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More