CONTATOS: (88) 3613.1000 / (88) 9 9615.0901 / (88) 9 9696.7018 - Clique AQUI e saiba mais...

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

CAOS: EXPLODE MAIS UMA REBELIÃO NA CADEIA PÚBLICA DE CAMOCIM!

Exatamente na noite do dia 21 de maio deste ano eclodiu a maior rebelião na cadeia pública de Camocim desde sua fundação. Na ocasião a cadeia ficou quase que totalmente destruída. Vários presos ficaram fugiram e a maioria deles foram recapturados pela Polícia Militar na mesma noite.

Exatamente cinco meses e cinco dias depois, a cadeia viveu mais uma vez momentos de pânico e terror. Reféns, tiros, fogo, gritaria e muita confiança na impunidade por parte dos detentos. Na noite desta quarta-feira, 26, a cadeia viveu mais uma grande rebelião que foi contornada cerca de três horas depois graças à habilidade de policiais militares e agentes penitenciários.


Início

Era por volta das 19h00 da noite quando os detentos gritavam desesperados pelo agente penitenciário dizendo que um deles estava precisando de socorro urgente. Puro fingimento. Era o plano deles.
Nesse momento um agente e um PM foram à cela e ao se aproximarem os detentos tentaram atingir o agente com uma barra de ferro. O agente e o PM conseguiu sair do local rapidamente e então teve início a rebelião. Conforme o apurado, a intenção dos detentos era fazer o agente de refém.


Baderna e fogo

Ligeiramente os detentos fizeram um preso de refém com uma faca em seu pescoço e começaram o quebra-quebra. Uma parte deles começou a quebrar as grades e em pouco tempo a maioria estavam fora das celas. Vários colchões foram empilhados e queimados juntamente com pedaços de madeiras, provocando um fogaréu enorme. O carro pipa e os guardas municipais também estiveram no local e foram muito úteis para que o fogo fosse debelado.
Em questão de meia hora eles conseguiram chegar ao pátio interno e destruir parte da muralha, fazendo dois grandes buracos, um deles dando acesso a Galeria do Hamilton e o outro a parte lateral da cadeia.


Cerco

Policiais militares de Camocim, de Barroquinha, Chaval e do Batalhão de Divisas fizeram o cerco no entorno da cadeia bem com ocuparam a parte externa da cadeia. Vale ressaltar que vários policiais militares e agentes de folga foram convocados e compareceram em massa para unir forças aos irmãos de serviço e assim a ajudar a controlar a rebelião na unidade. Isso sim, é espírito de corpo!


Fugas

Uma parte dos presos que fugiram pelos buracos no pátio interno subiram nos telhados das residências e lojas de todo quarteirão. De lá eles jogavam pedras e telhas nos policiais e até nos curiosos que teimavam em se aproximar do local.
Alguns dos presos que conseguiram fugir foram logo recapturados, cerca de cinco. Houve invasão dos detentos em algumas casas do quarteirão, o que causou pânico nos moradores.


Rebelião controlada e refém libertado

Para fazer com que os presos recuassem, os policiais tiveram que disparar vários tiros de advertência. Os presos, todos selvagens, jogavam pedras e pedaços de ferros nos policiais, ferindo levemente dois dos guerreiros.
Com a ameaça de invasão, os detentos enfim pediram para negociar e exigiram a presença do Juiz, no entanto não foi possível a presença do magistrado. 
O administrador da cadeia e o Tenente Coronel Artunane Aguiar,especialista em Gerenciamento de Crises, começaram a negociar com os líderes dos rebelados. Pouco a pouco a situação estava se encaminhando para um final satisfatório. os detentos enfim libertaram o refém e atenderam a ordem de irem todos para o pátio desarmados, de costas e com as mãos na cabeça. Nesse momento, por volta das 21h50, houve a invasão e não teve necessidade do uso da força, inclusive vários dos detentos afirmaram para os policiais que não haviam aderido a rebelião.


Contenção e recontagem

Com a rebelião contida, teve início a recontagem dos detentos, no entanto ainda não se sabe o total de presos que conseguiram fugir, somente na quinta-feira, 27, é que esse número vai ser divulgado. Policiais da Companhia de Tianguá e do Cotar chegaram horas depois e ajudaram na contenção e recontagem dos detentos.


Destruição

Das seis celas, quatro delas ficaram totalmente destruídas, inclusive sem grades. Fumaça e cinza e objetos queimados dominam a paisagem do cenário. Não há a mínima condição de comportar os 170 detentos da cadeia, ressaltando que a capacidade é de 67.

Com mais esta rebelião está comprovado que a cadeia deve ser desativada. Não há mais condições estruturais. O prédio está comprometido. Moradores das adjacências estão todos revoltados e com razão, estão com a vida em risco e desta vez exigem uma atitude das autoridades para que tirem de uma vez por toda a cadeia daquele local. 

Participaram da ação; Força Tática, Ronda do Quarteirão, guarnição da cadeia, Destacamento de Barroquinha, Destacamento de Chaval, Batalhão de Divisas, Companhia de Tianguá, Cotar e Agentes Penitenciários.

Fonte: Camocim Polícia 24h

2 comentários:

brasil que anda para tráz...

Isso é que é uma vergonha no pais se algum preso tivesse morrido na mesma hr os direitos humanos estaria lá agora ers pra colocar eles pra reformar toda a cadeia e os mais bardeneiros transferir eles pra bem loge pelo menos um ano pra quando tiver outra ele nem se aproximar

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More