CONTATOS: (88) 3613.1000 / (88) 9 9615.0901 / (88) 9 9696.7018 - Clique AQUI e saiba mais...
PREÇO IMBATÍVEL! Vende-se CASA NOVA no Renato Parente. Contatos: (88) 9 9821.6636 / 9 9269.8424. Clique AQUI e saiba mais...

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Bebê de 3 meses é paciente mais jovem a receber transplante de coração no Ceará

Ariele Vitória viajou do Rio Grande do Norte para o Ceará com apenas 15 dias em busca de tratamento no Hospital da Messejana.

Ariele Vitória Rocha Silva tem apenas três meses de idade. No dia 22 de outubro, ela se tornou a paciente mais jovem a ser transplantada no Hospital da Messejana, referência nas regiões Norte e Nordeste em transplantes cardíacos. Quase um mês depois, a bebê, internada desde os 15 dias de vida, recupera-se bem na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do hospital.

A mãe, Mirian da Silva Rocha, deixou a família e a irmã gêmea de Ariele no interior do Rio Grande do Norte para vir a Fortaleza acompanhar o tratamento da filha. “Quando soube que o coração havia sido doado para a minha filha fiquei sem ação, não sabia o que fazer primeiro. Foi muita emoção. Queria pular, chorar, agradecer, tudo ao mesmo tempo”, conta Mirian.

Ariele é de Paraú, Rio Grande do Norte, e chegou ao Hospital de Messejana com apenas 15 dias de vida. Aos dois meses, ela foi incluída na fila de espera pelo transplante de coração, segundo a Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa).

“Ela nasceu com a síndrome do coração esquerdo hipoplásico e o tratamento convencional não apresentaria resultado. Assim, foi indicada ao transplante”, explica o cirurgião cardíaco Valdester Cavalcante, que realizou o transplante da criança.

Até a quinta-feira (17), o Hospital da Messejana já contabilizava 29 transplantes de coração. Cinco deles foram transplantes cardíacos pediátricos. Valdester ressaltou a importância de todos estarem atentos a possíveis doadores, principalmente em casos de doações de órgãos para crianças. Nesses casos, a compatibilidade do doador com o receptor pode ser mais restrita devido a fatores como peso e fator sanguíneo. “Agradecemos à família que foi sensível mesmo na dor e doou o coração para salvar a vida de Ariele”, destacou o cirurgião.

Fonte: Tribuna do Ceará

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More