RASTREADORES SEM MENSALIDADES - FALE COM KELTON: TIM (88) 9 9975.7272 / CLARO (88) 9 9299.9212

PROBANK IMÓVEIS - (88) 3611.3086

terça-feira, 21 de março de 2017

VÍDEO: CENAS CHOCANTES! ESSA É A SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

São cenas fortes, mas que precisam ser divulgadas. Essa é a saúde do Ceará, que vai de mal a pior.

"Boa tarde, estou desesperada. Meu pai tem 59 anos, já era tetraplégico, mas vivia uma vida normal dentro de suas limitações. Em novembro o mesmo teve um problema instestinal e uma grave pneumonia, ingressou no Hospital Geral de Fortaleza, em 15/11/2016, direto na UTI. Ficou lá até 23/12/2016, quando foi transferido para uma unidade semi-intensiva. Em 16/03/2017, recebemos a alta de meu pai. Enquanto esteve no hospital, o mesmo fora desenganado várias vezes, e disseram que nunca mais ele iria respirar sem a ajuda de aparelhos, ocorre que janeiro a máquina que fazia a respiração mecânica deixou de funcionar e viu-se que o mesmo estava respirando com autonomia. Nesse periodo, o mesmo adquiriu várias escaras/feridas, e duas delas alcançam o osso de tão profundas. Ante a autonômia respiratória, e traqueotomizado, foi dada alta dele no dia 16/03/2017. Na primeira noite não tivemos graves intercorrências, mas no segundo dia depois da alta o mesmo voltou a apresentar fortes dores, falta de ar, de modo que nem morfina aliviava. Buscamos o serviço de assistência domicilair do Waldemar de Alcântara, mas disseram que tinhamos que ligar para o samu porque eles não atendiam aos finais de semana e feriados, ligamos para o samu, mas este disse que isso era competência da assistência domiciliar. Enfim, desesperados, colocamos meu pai num carro comum e o levamos ao HGF, onde ele esteve internado. Chagamos por volta de 9 da manhã e às 13:30 meu pai ainda estava em maca quase à altura do chão , suja, sem alimentação, sem água, os exames só fizeram porque os outros familiares começaram a chegar desesperados. Enfim, além do sofrimento torturante de ver um pai neste estado, sem atendimento, apenas com promessas, decidimos levá-lo para casa, para ter uma morte com mais dignidade, não temos conhecimentos em enfermagem, nem condições de pagar um auxílio médico domiciliar. Acabamos levando ele para a Santa Casa, porque estamos desesperados. Me sinto na obrigação de mostrar esse vídeo e não desejo que isso nunca, mas nunca, aconteça com ninguém. Deixo aqui a minha revolta por tamanha omissão, descaso, apátia, falta de amor pelo próximo. Nos desejem força, e rezem pelo meu pai. Aqueles que puderem nos ajudar (inclusive divulgando), seremos eternamente gratos. Obrigado."

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More