ATENÇÃO PROPRIETÁRIOS DE MOTOCICLETAS! CONFIRA A PROMOÇÃO DA SOBRAL RASTREADORES

TIM (88) 9 9975.7272 / CLARO (88) 9 9299.9212 - Clique AQUI e saiba mais...

BLOG SOBRAL 24 HORAS - MAIS DE 130 MILHÕES DE ACESSOS!

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Além da JBS, outras empresas receberam recursos do governo Cid Gomes e fizeram doação para campanha

Levantamento da TV Jangadeiro mostra que outras três empresas receberam créditos do FDI e, pouco depois, doaram valores altos para a campanha eleitoral de 2014.

Um levantamento da TV Jangadeiro apurou que em 2014, durante o governo de Cid Gomes, além da Cascavel Couros, do grupo JBS, outras três empresas receberam créditos do Fundo de Desenvolvimento Industrial (FDI) e, pouco depois, também doaram valores altos para a campanha eleitoral do sucessor de Cid Gomes.

Uma dessas empresas foi a Grendene, que tem unidade em Sobral, berço político dos irmãos Cid e Ciro Gomes. Em 2014, o Estado liberou pagamentos de cerca de R$ 90 milhões à Grendene através do FDI.

Durante a campanha de Camilo Santana ao Governo do Estado, que era apoiado por Cid Gomes, a Grendene fez uma doação eleitoral de R$ 1 milhão.

Um dos donos da empresa, Alexandre Grendene Barteli, também contribuiu. Deu R$ 269 mil. E Pedro Grendene Barteli, irmão de Alexandre, fez algumas super contribuições que passaram dos R$ 2.690 milhões. A Paquetá Calçados, que recebeu através do FDI mais de R$ 37 milhões, doou R$ 3.735 milhões à campanha. Já a empresa Bermas Maracanaú, do setor de couros, doou R$ 990.500 mil e teve repasses de R$ 14.771 milhões do FDI.

Para atrair grandes indústrias, o Estado pode conceder incentivos e benefícios. Uma das alternativas é a devolução do ICMS pago pelas empresas.

O empresário Wesley Batista, do grupo JBS, que é investigado pela operação Lava Jato, revelou que doou R$ 20 milhões para a campanha de Camilo Santana. Dez milhões de forma oficial e o restante por fora, através de notas frias.

Segundo ele, o pedido foi feito por Cid Gomes. Depois, Arialdo Pinho e Antonio Balman, que foram secretários de Cid e permanecem no atual governo, teriam intermediado as negociações. Em troca, o grupo teria recebido via FDI 110 milhões que o Estado devia em créditos de ICMS.

A TV Jangadeiro apurou que, em 2014, ano eleitoral, o FDI teve movimentação bem acima da média de outros anos. Naquele ano, o governo fez notas de empenho que totalizaram R$ 259 milhões. No ano seguinte, 2015, que não é calendário eleitoral, não houve nenhum pagamento. Em 2016, outro ano de eleições, o estado pagou R$ 71 milhões.

Em 2017, até agora, foram R$ 4,5 milhões. A possível relação entre pagamentos de créditos via FDI e contribuições eleitorais chama atenção quando se analisa este outro dado: em 2014, o estado pagou 31 notas de empenho a empresas via FDI. Dessas 31 notas, 29 foram emitidas somente no segundo semestre, mais próximo do mês das eleições, que acontecem em outubro.

Na Assembleia Legislativa do Ceará, o assunto domina os pronunciamentos e as rodas de conversas dos deputados. “Existe uma auditoria no Tribunal de Contas do Estado onde a auditoria afirma categoricamente que o aumento de devolução do ICMS e dos incentivos do FDI de 2013 para 2014 foi de 250% e que 97% desses valores pagos foram unicamente para cinco empresas”, disse o deputado estadual Leonardo Araújo (PMDB).

Os parlamentares que fazem oposição ao governo são taxativos ao dizer que as revelações são evidências claras de pagamento de propina. “Nem tudo que é legal é lícito. Fica uma evidência de que foi uma doação legal, mas condicionado ao pagamento do governo. Eles estão tentando fazer o financiamento público de campanha a força. Isso é propina”, afirmou o deputado estadual Carlos Matos (PSDB).

Já a base aliada garante que os pagamentos das devoluções do ICMS só foram maiores em 2014 por causa da lei de responsabilidade fiscal. Dr Sarto (PDT) defende que o governo estava se encerrando e tinha que pagar sua dívida. “Se não quitasse tinha que deixar recurso em caixa com o devido empenho para ser pago posteriormente”.

O suposto pedido de doação da JBS pelo ex governador Cid Gomes também foi negado pela base. “Não tem uma consistência maior para incriminar qualquer ato do ex-governador Cid Gomes. Já houve também uma realização de doações, ainda em 2006, quando Cid Gomes era candidato de oposição ao governo do estado”, disse Sergio Aguiar (PDT).

Fonte: Tribuna do Ceará

4 comentários:

amigão está se comportando, igual à uma criança, quando é pego fazendo coisas erradas. tentou se justificar, mais suava bastante. criança é bem assim, quando não treme, começa à suar.KKKKKKKKKKKKKK

não da em nada, vocês viram como é que ele vai ser investigado? palhaçada. só os amiguinhos do peito.

Se gritar pega ladrão, não fica um mermão !!!

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More