PROTEJA SEU PATRIMÔNIO: RASTREADORES E BLOQUEADORES VEICULARES SEM MENSALIDADES

TIM (88) 9 9975.7272 / CLARO (88) 9 9299.9212 - Clique AQUI e saiba mais...

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Blogueiro acusado de extorsão é inocentado em Ubajara

Antônio Carlos Lopes Camelo, proprietário do blog Ubajara Notícias, foi preso no dia 20 de maio de 2016. Ele foi acusado de tentar extorquir Denes Brito, prefeito da cidade na época. Após investigações, no dia 24 de abril deste ano, o blogueiro foi inocentado e o processo arquivado.
Confira o relato publicado no blog Ubajara Notícias

"No dia 20 de maio de 2016, eu, Antônio Carlos Lopes Camelo, 24, fui preso em flagrante pelo crime de extorsão. A notícia pegou a todos de surpresa. Rapidamente me tornei o assunto mais falado em Ubajara e Santa Quitéria. Fui destaque no Diário do Nordeste, TV Diário, grupos de whatsapp e blogs locais.

Nunca imaginei passar por essa situação. Fui criado por uma família humilde e batalhadora. Como isso pode acontecer? Em que momento eu decidi seguir o caminho errado? Respondo, nunca.

Lembro-me daquele dia como se fosse hoje. Era uma final de tarde de sexta-feira, já estava na câmara municipal de Ubajara para assistir a sessão, quando o assessor do ex-prefeito me ligou para fecharmos um contrato publicitário com o gestor. Ele havia me procurado semanas antes oferecendo-me a quantia de R$ 2.500, e eu aceitei.

Eu e o assessor do ex-prefeito, Denes Brito, tínhamos uma relação aparentemente amigável. Cheguei a frequentar a sua casa algumas vezes, criamos um vínculo de confiança e todas às vezes ele me perguntava sobre as novidades do site. Ingênuo, respondia com clareza, inclusive às denúncias que recebia da população, entre elas a falta de merenda escolar. E foi essa última que despertou o interesse em fechar a parceria. Ele pediu-me para que não publicasse, pois prejudicaria o fechamento do contrato.

Por diversas vezes, o assessor marcou e desmarcou reuniões com as mais variadas desculpas. No dia anterior a prisão, eu recebi uma ligação do mesmo, informando que o encontro aconteceria às 15h do dia seguinte no qual fecharíamos o contrato publicitário.

No dia da prisão, trabalhei normalmente pela manhã no escritório do Ubajara Notícias, preparando matérias e fechando parcerias com outras empresas. No entanto, no meio da tarde, no horário acordado para a ligação, ninguém entrou em contato. Decidi ir para a reunião da Câmara Municipal como de costume. Já era 16h, quando recebi a ligação do então assessor do ex-prefeito de Ubajara, me convidando para ir até a residência do gestor.

Me desloquei até uma papelaria e comprei um bloco de recibos. Lá mesmo, preenchi prontamente o recibo no valor de R$ 2,500 com a descrição “Prestação de serviços publicitários”. Esses comprovantes são entregues a todos os parceiros e anunciantes do site Ubajara Notícias.

Ao chegar à residência do ex-prefeito José Romano, às 16h30, fui recebido pelo assessor Denes Brito. Dirigimo-nos até a sala e sentamos a mesa de jantar. O assessor me fez diversas perguntas sobre a parceria e respondi todas as indagações. Minutos depois o então prefeito saiu de um cômodo de sua casa e o assessor Denes Brito fez a última pergunta: “Você vai publicar a matéria sobre a merenda escolar?” Respondi: “não”.

Nesse momento, dois policiais civis saíram do quarto anunciando voz de prisão pelo crime de extorsão. Fiquei sem reação e nervoso, não sabia o que fazer e minha boca ficou seca. Alguém começou a filmar a ação dos policiais, do momento que fui algemado até a condução à viatura. Fui do céu ao inferno em poucos segundos. Pensei na minha família e amigos, na decepção que causaria essa notícia.

Cheguei na delegacia e fiquei em uma sala isolado e algemado. Em alguns minutos a cidade inteira já sabia do fato. Lembro-me que a primeira pessoa a chegar à delegacia foi minha namorada, sem saber o que havia acontecido e totalmente abalada. Pedi para que ligasse para o meu Advogado, Dr. Fábio, que chegou prontamente para me dar assistência.

O então vereador e hoje vice-prefeito, Adécio Muniz, pediu a uma advogada associada ao seu escritório de advocacia, Iuna Rocha, para se fazer presente na delegacia a meu favor. Em seguida, alguns empresários prestaram solidariedade a mim comparecendo até a delegacia acreditando na minha inocência.

Algum tempo depois, uma equipe da TV Diário chegou para registrar o caso. E fui saber no sábado (21), que havia sido capa da edição digital do Diário do Nordeste, com o título “Blogueiro é preso em flagrante ao tentar extorquir prefeito de Ubajara”. Inclusive, um blog local, copiou a matéria do Diário do Nordeste e adicionou uma foto minha, causando-me mais danos. E não parou por ai! Esse mesmo blog pegou o vídeo gravado na casa do ex-prefeito e publicou com o título: “Vídeo de blogueiro sendo preso em flagrante ao tentar extorquir prefeito de Ubajara”. Blog este pertencente ao ex-secretário de governo do município.

Ainda na delegacia de Ubajara, dei meu depoimento e neguei todas as acusações. No entanto, por ter sido preso em flagrante, teria que ficar detido na delegacia de polícia civil de Tianguá. Dr. Fábio disse que faria o possível para me soltar até às 12h de sábado. Fui encaminhado para a cidade vizinha e a primeira coisa que os policiais de plantão me disseram foi: “Não tem água e nem comida, sua família é quem tem que trazer”. Só havia um problema, minha família estava em Santa Quitéria e só poderiam vir no dia seguinte.

Fiquei em cubículo, úmido, sujo, fedido e sem privacidade. Só me restava rezar para que aquele inferno acabasse logo. Não consegui dormir. Passei a noite pensando sobre o que me havia acontecido e sem acreditar. Recebi comida das mulheres que estavam detidas na cela em frente a minha. O café da manhã e o almoço foram dados por elas, pois minha mãe, sem veículo próprio, pegaria o primeiro ônibus apenas às 12h.

Enquanto estava preso, minha namorada, meu cunhado e advogado, se deslocaram até o fórum do Ipu, pois foram orientados que esse seria o fórum plantonista da região naquele dia. No entanto, ao chegar lá, foram avisados que o plantão estava sendo realizado na cidade de Varjota e só seriam atendidos até às 14h. Foi uma corrida contra o tempo para me tirar daquele lugar, ou iria passar todo o final de semana preso. Enfim, conseguiram um alvará de soltura e retornaram para Tianguá, mas antes passaram em São Benedito e pegaram a minha mãe e irmã.

Lembro-me de ouvir o portão da delegacia abrir, e ver meu cunhado e advogado me chamando. Uma cena que não sai da minha cabeça é o rosto aflito da minha mãe ao me ver naquelas condições, pois tanto ela quanto eu, sabíamos que estava naquele lugar injustamente.

Entrei no carro e durante a viagem, Dr. Fábio me explicou que eu estava solto, mas antes tinha que cumprir com algumas determinações da justiça, caso as descumprissem, retornaria para prisão. Foram elas: Não cometer delitos, não entrar em contato com nenhum familiar da vítima ou testemunhas, não se ausentar da cidade por mais de 10 dias sem avisar a justiça, não mudar de endereço sem comunicar a justiça e assinar um papel nos primeiros cinco dias do mês no fórum.

A ficha não havia caído até chegar em casa. Quando entrei na minha residência, chorei muito e fiquei bastante deprimido. Os primeiros dias foram os piores, lembro-me de ler os comentários da publicação da matéria do blog local, as pessoas me julgando, inclusive os meus “amigos”. Aquilo me destruiu. Muitas pessoas se afastaram de mim, senti a ausência de alguns amigos no pior momento da minha vida. Nesse período, minha empresa de informática fechou as portas, os clientes também foram embora. Precisei da ajuda de uma psicóloga para eu me restabelecer. O tempo foi passando e fui melhorando. Sempre cumpri com as determinações da justiça.

Pensei em desistir da faculdade de jornalismo, acabar com o site Ubajara Notícias e voltar para Santa Quitéria. Porém, se fosse embora, assumiria uma culpa que nunca tive e sairia derrotado. Tive fé em Deus e continuei enfrentando meus demônios.

No final do ano passado, eu e Dr. Fábio, juntamos provas e fizemos um Habeas Corpus Preventivo, pedindo o arquivamento do inquérito policial e encaminhamos para o fórum local. O Juiz, Dr. Alisson do Valle Simeão, pediu vista do Ministério Público de Ubajara onde analisou e afirmou que a minha versão de contrato verbal, está respaldada nos recibos de prestação de serviço publicitário, requerendo arquivamento do inquérito policial.

E no dia 24 de abril de 2017, o inquérito policial instaurado contra mim, foi arquivado definitivamente. Quando recebi essa notícia, todo peso que carregava em minhas costas sumiu. EU SOU INOCENTE!

Por fim, gostaria de agradecer primeiramente a Deus, pois foi a minha principal fonte de superação e minha maior firmeza. Agradeço a minha família e a família da minha namorada que nunca deixaram de me apoiar. A minha namorada que sempre esteve comigo desde o início e nunca deixou de acreditar em mim. Aos parceiros do site Ubajara Notícias que continuaram acreditando em nosso trabalho. Aos amigos que enviaram mensagens de apoio nas redes sociais, em especial ao Thiago Rodrigues, do site A voz de Santa Quitéria. Ao meu advogado, Dr. Fábio da Silva Pereira, que sempre soube da minha inocência desde o início e nunca me deixou desamparado. Ao então vice-prefeito, na época vereador, Adécio Muniz, que prestou solidariedade e enviou uma advogada do seu escritório e ao empresário Antenor Sousa que se preocupou e acreditou na minha inocência."

Via Sobral Portal de Notícais

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More