RASTREADORES SEM MENSALIDADES - FALE COM KELTON: TIM (88) 9 9975.7272 / CLARO (88) 9 9299.9212

PROBANK IMÓVEIS - (88) 3611.3086 / (88) 99990-5068

EVENTU´S BUFFET - (88) 99672.5393 / 99207.1980 / 99207.7000

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Projeto quer impedir usuários de drogas de tirar a CNH

Proposta tenta incluir o exame toxicológico entre os pré-requisitos exigidos dos candidatos à primeira habilitação nas categorias A (moto) e B (carro).
Se o Projeto de Lei 6187/16 for aprovado, todos os interessados em tirar a carteira de motorista, também das categorias A (moto) e B (carro), terão de passar por um exame toxicológico, cujo objetivo é comprovar a inexistência do uso de drogas. O texto, que pretende alterar os artigos 147 e 148 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), foi aprovado na semana passada na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados e será apreciado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), em caráter conclusivo – ou seja, sem a necessidade de passar pelo plenário da Casa para ser sancionado.

Alterada pelo relator, o deputado Hugo Leal (PSB-RJ), a proposta original foi estendida e passou a exigir o exame não só para a primeira habilitação, mas também para a renovação da carteira nas categorias A e B para motoristas que exerçam atividades remuneradas. Como justificativa, Leal apontou em seu voto que desde que foi implantada a obrigatoriedade do exame toxicológico, em 2016, para a obtenção da carteira de motorista das categorias C, D e E, “houve uma redução de 36% no número de acidentes nas estradas federais em todo o País com esses veículos”.

De acordo com o relator, a exigência do exame toxicológico para a primeira habilitação deverá ser “um importante instrumento de combate ao consumo de drogas e redução de acidentes e, consequentemente, redução das lesões e mortes no trânsito”. Para fundamentar sua opinião, o deputado citou dados de levantamentos nacionais, como os apresentados na Pesquisa Nacional de Saúde Escolar (Pense), que revelou que o percentual de adolescentes, entre 13 e 15 anos, que usaram drogas ilícitas aumentou de 7,3% para 9% entre 2012 e 2015.
“Tufo” de cabelo

Desde março de 2016, o exame toxicológico é obrigatório no Brasil para todos os interessados em obter as carteiras de habilitação das categorias C, D e E. Consiste na coleta de uma pequena quantidade de cabelo – ou de pelos do corpo –, que chegue à raiz. O exame é encontrado na faixa entre R$ 220 e R$ 340 e fica pronto entre 15 e 20 dias.

O procedimento identifica o uso de drogas no período retroativo entre 90 e 180 dias. Não é mensurada a quantidade de álcool no organismo.

Via Gazeta do Povo

7 comentários:

Vixi, tem muitos médicos, advogados, engenheiros entre muitas outras pessoas comuns que uma vez ou outra fuma um baseado pra dar uma relaxada, vão ter que andar de busão agora kkkkk

Ta certo tem q valer pra todos pois nao so pra caminhoneiros

concordo plenamente com essa lei, e tem que valer para esses que se diz ser cidadão e por trás é um viciado... Eu apoio

Tá muito certo. super apoio. Direito tem quem direito anda!

Tai gostei mas como Sobral não tem tem busão vai de loiolão.

Ta certissimo, pois tem um monte de bichões homens e mulheres que pagam de moralistas, exemplos e que na verdade são verdadeiros lombrados.
hoje em dia existe exames que com um fio de cabelo sabe se o individuo é usuario e esse tipo de exame teria que ser obrigatório pelo menos a cada 6 meses, só assim teriamos um transito mais calmo.

Se dirigir mau em Sobral for por causa de nóia, então 90% dos "motoristas" aqui são. O que eu vejo é nego furando semáforo, parando encima da faixa, parando em lugar que da acesso a cadeirantes e por aí vai. Na prefeitura mesmo só tem noiado, pq o que da de carros adesivados furando semáforo num é brincadeira. Até na polícia tem noiado, afinal vejo muitos parando encima da faixa. Fora os noiados que perdem as motos nas blitz e se diz cidadão.

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More