RASTREADORES SEM MENSALIDADES - FALE COM KELTON: TIM (88) 9 9975.7272 / CLARO (88) 9 9299.9212

PROBANK IMÓVEIS - (88) 3611.3086 / (88) 99990-5068

EVENTU´S BUFFET - (88) 99672.5393 / 99207.1980 / 99207.7000

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Justiça condena a 16 anos de prisão procurador que matou o delegado Cid Júnior

Após 13 horas de sessão, o Conselho de Sentença do Tribunal do Júri da Comarca do Eusébio (Região Metropolitana de Fortaleza), condenou a 16 anos de prisão o procurador de Justiça aposentado, Ernandes Lopes Pereira. Ele é acusado de ter assassinado um delegado da Polícia Civil do Ceará. O crime ocorreu há nove anos. A defesa do réu recorreu contra a sentença e ele permanecerá em liberdade até o julgamento do recurso pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE).

O crime ocorreu em agosto de 2008. O procurador foi preso em flagrante logo após disparar um tiro de pistola na cabeça do delegado Cid Júnior Peixoto do Amaral, que, na época, era o titular do 19º DP (Conjunto Esperança). Desde então, Ernandes alega que o crime não foi intencional, que sua pistola disparou acidentalmente e atingiu o amigo.

O inquérito policial chegou à Justiça 10 dias após o assassinato do delegado e se transformou em um processo que tramitou com um vai-e-vem de recursos judiciais da defesa e da acusação. Somente nove anos depois, o procurador sentou no banco dos réus e seus advogados continuaram sustentando a tese de um disparo acidental.

Desembargador

Várias testemunhas e informantes foram ouvidos ontem durante a sessão de julgamento. Uma perita da Pefoce prestou esclarecimentos, assim como um ex-motorista do acusado do acusado do crime. No total, seis testemunhas foram ouvidas em plenário pelo presidente da sessão, juiz de Direito Henrique Botelho Romcy. Entre eles, o irmão do delegado assassinado, o desembargador Jucid Peixoto do Amaral. 

Logo após ser anunciado o veredito, o advogado de defesa do procurador, Maurício Pereira, anunciou que iria recorrer contra a decisão do Júri. Por conta disso, o réu deve permanecer em liberdade até o julgamento do recurso.

Fonte: Jornalista Fernando Ribeiro

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More