RASTREADORES SEM MENSALIDADES - FALE COM KELTON: TIM (88) 9 9975.7272 / CLARO (88) 9 9299.9212

PROBANK IMÓVEIS - (88) 3611.3086 / (88) 99990-5068

SBC - MELHOR PLANO DE ASSISTÊNCIA FAMILIAR - (88) 3611.1481

sábado, 16 de dezembro de 2017

Em sentença, juiz da “cura gay” mantém autorização para terapia

A decisão do magistrado da 14ª Vara Federal do DF, porém, restringe atendimento a um caso específico de orientação sexual, a egodistônica.
A 14ª Vara Federal do DF determinou ao Conselho Federal de Psicologia (CFP) não impedir que psicólogos façam atendimentos psicoterapêuticos a pessoas com orientação sexual egodistônica – classificação segundo a qual o indivíduo gostaria de mudar sua opção, mas sofre transtornos psicológicos e comportamentais.

Essa sentença substitui a liminar proferida em setembro que abriu a possibilidade de oferecer acompanhamento profissional para reorientação sexual, conhecida como “cura gay”.

Diferentemente da decisão anterior, desta vez, o juiz Waldemar Cláudio de Carvalho esclarece que a terapia deve ser oferecida para quem apresente transtornos psicológicos e comportamentais por causa da orientação sexual, de forma reservada aos consultórios. Ele proíbe, porém, a propaganda ou supostos tratamentos “com intuitos publicitários, respeitando sempre a dignidade dos assistidos”.

A sentença mantém a Resolução n° 1/99 do CFP com as normas para atuação dos profissionais sobre o assunto, mas veda a censura baseada no texto para aqueles que façam também debates acadêmicos e pesquisas com o tema.

Foram acatados em parte, portanto, os pedidos da ação popular movida por um grupo de psicólogos. Procurado pelo Metrópoles, o Conselho Federal de Psicologia não havia se pronunciado sobre a decisão judicial, até a última atualização desta matéria.

O furor

Ainda no texto, o magistrado rebateu as diversas críticas sobre a liminar, afirmando que a sentença “não provocou qualquer ato de incentivo à discriminação ou à intolerância, embora tenha sido mal compreendida por parcela significativa da mídia e nas redes sociais”. Com a polêmica, diversas instituições, como o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), prometeram contestar o caso na Justiça. 

Na época, o CFP refutou a decisão. Segundo o conselho, a reversão sexual é “uma violação dos direitos humanos e não tem qualquer embasamento científico”, e tal procedimento causaria “sequelas e agravos ao sofrimento psíquico”. (Via Metrópoles)

1 comentários:

Cada coisa que a gente lê. Exonere essa porr@ de juiz e pronto. Vá cuidar de outros tantos processos sem julgamento, vai querer dar margem para pais autoritários tentar "curar" seus filhos? Cada coisa viu.

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More