RASTREADORES SEM MENSALIDADES - FALE COM KELTON: TIM (88) 9 9975.7272 / CLARO (88) 9 9299.9212

SBC - MELHOR PLANO DE ASSISTÊNCIA FAMILIAR - (88) 3611.1481

Abertas as inscrições para ingresso no Curso de Medicina UNINTA por aproveitamento da nota do ENEM

segunda-feira, 2 de abril de 2018

VÍDEO: irritado com demora no atendimento, homem põe fogo em hospital de Lajeado

Pronto-Socorro do Hospital Bruno Born, o único do município, está interditado. Pacientes devem procurar a UPA
Um homem colocou fogo na recepção do Pronto-Socorro do Hospital Bruno Born, o único de Lajeado, no Vale do Taquari, na noite deste domingo (1º). Conforme relatos de testemunhas, ele estava revoltado com a demora no atendimento, já que estava com o filho pequeno há mais de duas horas no local. O PS está interditado por tempo indeterminado. 
Segundo a Delegacia de Pronto-Atendimento de Lajeado, depois de reclamar sobre a demora no atendimento, o homem saiu do hospital e retornou com gasolina. Ele pediu para que as pessoas se afastassem e colocou fogo na recepção do local, por volta das 19h.

Houve danos em um computador e parte da estrutura ficou danificada. Ninguém ficou ferido, mas a fumaça se espalhou, e os pacientes precisaram ser removidos. Alguns funcionários e pacientes chegaram a inalar fumaça, mas foram atendidos no local.

O homem fugiu após colocar fogo no PS, e já foi identificado pela Polícia Civil. A área danificada deve passar por perícia nesta manhã.

Em nota, o Hospital Bruno Born, que é referência para 42 municípios do Vale do Taquari e do Vale do Rio Pardo, informou que "todos ainda estão muito abalados psicologicamente", e que houve destruição completa da sala de recepção da emergência. Assim, o atendimento está suspenso por tempo indeterminado, o que causa prejuízo para toda a região do Vale do Taquari. A orientação é que os moradores procurem a UPA de Lajeado ou hospitais próximos. 

O hospital informou ainda que o filho do homem que colocou fogo no hospital já havia recebido atendimento no mesmo dia, tanto na UPA quanto no hospital, e que não apresentava quadro de urgência ou de emergência.

O delegado Juliano Fernandes Stobbe, responsável pela investigação, afirma que o crime de incêndio doloso prevê pena de três a seis anos de prisão, que pode ser aumentada em até um terço, já que foi cometido contra um prédio público.
— Por mais que ele possa alegar que estava indignado, isso não justifica. Ele agiu com um mínimo de premeditação. Agora, vamos ouvir funcionários e pacientes para verificar a extensão dos danos causados.

Via Gaucha CH

4 comentários:

Kkkkkk ohh bicho doido kkk

Um dia desse um homem em vez descontar a raiva no prédio descontou no médico quasse o médico perdeu a cabeça com a força que ele usou na garganta dele, um pessoa com raiva não está nem aí, de médico passou para paciente

Aqui ainda é tranquilo para médico em grandes cidades o médico as vezes está negando atendimento a um traficante e depois ele sume com o médico.

Aqui ainda é tranquilo para médico em grandes cidades o médico as vezes está negando atendimento a um traficante e depois ele sume com o médico.

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More