RASTREADORES - (MOTO R$ 499 E CARRO R$ 599) FALE COM KELTON: (88) 9 9975.7272 / (88) 9 9299.9212

SEJA UM VENCEDOR! APOSTE ONLINE - APOSTA DE OURO

IMPERDÍVEL! DE 09 A 11 DE AGOSTO DE 2018: 1ª EXPONOROESTE

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Piloto suspeito de envolvimento com morte de Gegê é preso

Felipe foi encontrado em um condomínio de luxo no interior de Goiás.
A Polícia Civil de Goiás prendeu o piloto Felipe Ramos Morais, suspeito de envolvimento na morte de Rogério Jeremias Simone e Fabiano Alves de Souza, Gegê e Paca, respectivamente. A prisão aconteceu em um condomínio de luxo em Caldas Novas, nesta segunda-feira (14). O crime aconteceu em fevereiro, em Aquiraz, Região Metropolitana de Fortaleza.

A Polícia, no entanto, buscava um outro piloto, suspeito de trazer drogas do Paraguai para o Brasil. Felipe foi encontrado no local, com documentação falsa. Aos policiais, ele disse que estava com documento falso por temer ser encontrado por facções criminosas. O suspeito revelou que fez serviços para organizações criminosas. 

Por ter mandado de prisão em aberto no Ceará, Felipe deverá ser transferido para o Estado. Em Goiás, deverá responder por uso de documentação falsa. 

Entenda

O piloto conduzia o helicóptero usado na morte de Gegê do Mangue e Paca, líderes nacionais do Primeiro Comando da Capital (PCC). O crime cinematográfico teve repercussão internacional. Após o crime se tornar público, Felipe confessou, através de advogado, que a sua contratação foi feita por Wagner Ferreira da Silva, conhecido como Cabelo Duro. Ele foi executado dias depois, em São Paulo. 

Conforme matéria exclusiva do Portal CNEWS, o helicóptero chegou ao Ceará, dois dias antes da execução. A aeronave foi encontrada durante uma investigação e trazida para o Estado. O equipamento foi concedido à Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). 


Delação

Felipe negociava uma delação premiada com a Justiça. O Ministério Público do Ceará (MPCE) deu parecer favorável a um pedido da defesa de Felipe de reconsideração da manutenção da prisão temporária caso o acordo de delação fosse aceito. No entanto, uma junta de juízes da Comarca de Aquiraz, do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), negou o pedido, no último dia 20 de abril. (Cnews)

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More