RASTREADORES - (MOTO R$ 499 E CARRO R$ 599) FALE COM KELTON: (88) 9 9975.7272 / (88) 9 9299.9212

SEJA UM VENCEDOR! APOSTE ONLINE - APOSTA DE OURO

IMPERDÍVEL! DE 09 A 11 DE AGOSTO DE 2018: 1ª EXPONOROESTE

terça-feira, 22 de maio de 2018

Caminhoneiros fecham estradas em 17 Estados

Na Régis Bittencourt caminhoneiros atearam fogo em pneus e bloquearam a pista. Categoria quer fim da carga tributária do óleo diesel.
Caminhoneiros atearam fogo em pneus e bloquearam a rodovia Régis Bittencourt no Km 280, na altura de Embu das Artes, no fim da tarde desta segunda-feira (21). Por volta de 18h, uma equipe do Corpo de Bombeiros já trabalhava no local para extinguir as chamas e liberar a pista. A categoria protesta contra os encargos tributários sobre o óleo diesel.

Em São Paulo, por volta de 17h30 um grupo de caminhoneiros ocupavam a faixa da direita da pista central e pista local próximo a Ponte dos Remédios da Marginal Tiête no sentido Ayrton Senna. Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), por volta das 18h20 a pista foi liberada.

A PRF (Polícia Rodoviária Federal) informou que os bloqueios de caminhoneiros são registradas em 17 Estados até as 16h30. As regiões com mais interdições eram o Sul e o Centro-Oeste. Os estados com maior número de bloqueios eram Paraná (19), Bahia (14), Minas Gerais (14) e Goiás (10).

Interdições no país

A Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros) também divulgou um balanço em que registrava manifestações nos mesmos 17 Estados, destacando ainda atos no entorno do Distrito Federal. Na contagem da associação, o estado com maior número de paralisações é Minas Gerais, com 15, seguido da Bahia (13), do Rio de Janeiro (11) e de Santa Catarina (10).

A entidade pede ainda que o governo zere a carga tributária que incide sobre o óleo diesel. Também cobra a isenção da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) sobre a receita decorrente da venda interna de óleo diesel ao transportador autônomo de cargas.

Associações que representam o setor produtivo, como a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso e Acebra (Associação das Empresas Cerealistas do Brasil), se mostraram preocupadas com o efeito da paralisação no escoamento da soja. A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) disse que ainda é cedo para traçar potenciais prejuízos, mas destacou estar monitorando os protestos.

No porto de Santos, caminhoneiros protestaram, mas a Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo) disse que o ato era pacífico, sem bloqueio à entrada de caminhões cujos motoristas queriam seguir. O protesto começou na madrugada desta segunda-feira, e não houve interrupção no acesso ao porto. O único incidente ocorreu em acesso no município de Guarujá (SP), onde uma carreta foi desatrelada e atrapalhou o fluxo da via urbana até a região portuária. A Codesp, no entanto, disse não saber se havia relação com o protesto.

No porto de Paranaguá, bloqueio na BR-277 impede a entrada das cargas, conforme a Administração do portos de Paranaguá e Antonina (Appa). Caminhoneiros interditam desde as 6h meia pista no km 6 da rodovia, no município de Paranaguá, segundo informações da PRF do Paraná. O pátio de triagem do porto tinha baixa ocupação de caminhões no início da tarde desta segunda-feira, com cerca de 900 vagas livres, das 1.200 disponíveis. Segundo a Appa, em torno de 1.400 caminhões de transporte de grãos estavam programados no sistema de agendamento do porto para chegar a Paranaguá até o início da tarde, e o número de veículos que estavam agendados e não deram entrada no porto foi de 1.067. A administração informou, contudo que os terminais graneleiros estão com sua capacidade máxima de armazenamento ocupada, e a paralisação ainda não tem efeito sobre o carregamento dos navios.

Em Mato Grosso, estado que lidera a produção de grãos do país, caminhoneiros bloqueavam no início da tarde a BR-364 no km 398 sentido sul, no Distrito Industrial de Cuiabá, informou a concessionária Rota do Oeste. A manifestação começou às 7h12 do horário de Mato Grosso (8h12 de Brasília), foi interrompida ao meio-dia e retomada no começo da tarde. Outro trecho da rodovia chegou a ser bloqueado no trevo do Lagarto, km 435, em Várzea Grande, entre as 11h46 e às 14h40 (12h46 e 15h40 de Brasília). Segundo a Rota do Oeste, está liberada a passagem de veículos de passeio, ambulâncias e veículos de carga que transportam carga viva e perecíveis. A previsão é de que a rodovia seja liberada às 18h, segundo a Rota do Oeste. (R7)

3 comentários:

enganto esses parasitas desse congresso Nacional maldito dita as regras nada vai mudar.

TINHA QUE IR ERA PRA BRSILIA. FECHAR AS RUAS DE LA E PARAR TUDO!!

Pessoal vamos entrar na causa protestar tambem . gasolina e um interesse de todos .

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More