ATENÇÃO! NÃO PERCA SEU VEÍCULO PARA A BANDIDAGEM!

ADQUIRA JÁ O RASTREADOR E BLOQUEADOR EM TEMPO REAL: FALE COM O KELTON OU LIGUE (88) 99975.7272/99299.9212. CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Operações cumprem mandados de prisão contra integrantes de facção criminosa

Prisões acontecem em Fortaleza, Maracanaú e Taubaté (São Paulo).
O Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO), do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), em parceria com a Coordenadoria de Inteligência (COIN) da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), deflagrou na manhã desta quinta-feira (17) duas operações decorrentes de investigações que têm como alvos facções criminosas que atuam na Região Metropolitana de Fortaleza.

As operação Jericó II e Saratoga/Bom Jardim A cumprem 26 mandados de prisão preventiva e 25 de busca e apreensão. Os mandados judiciais foram deferidos pela Vara de Delitos de Organizações Criminosas da Comarca de Fortaleza:

- Fortaleza (13 mandados de prisão preventiva e 13 mandados de busca e apreensão);

- Caucaia (02 mandados de prisão preventiva e 02 mandados de busca e apreensão);

- Maracanaú (01 mandado de prisão preventiva e 01 mandado de busca e apreensão);

- Taubaté, em São Paulo (01 mandado de prisão preventiva e 01 mandado de busca e apreensão);

- Sistema prisional do Ceará (08 mandados de prisão preventiva e 08 mandados de busca e apreensão);

- Sistema prisional federal (01 mandado de prisão), com o apoio do Departamento Técnico Operacional da Polícia Civil do Estado do Ceará, da Coordenadoria de Inteligência da Secretaria de Administração Penitenciária e do GAECO/SP, do Ministério Público de São Paulo.

Além dos mandados que estão sendo cumpridos, a Vara de Delitos de Organização Criminosa deferiu outros 06 mandados de prisão preventiva, que permanecerão em aberto em face da não localização dos acusados.

Investigações

As investigações do GAECO com o apoio da COIN tiveram como ponto de partida o tráfico de entorpecentes e crimes correlatos praticados na Região Metropolitana de Fortaleza. Com o aprofundamento dos trabalhos, descobriu-se que os líderes dos grupos investigados contavam com o auxílio de uma vasta gama de parceiros criminosos que atuavam como gerentes das “bocas” de tráfico, como “correrias” (soldados do tráfico), como laranjas que forneciam suas contas bancárias para a movimentação do dinheiro escuso, além de executores de outras ações criminosas, tais como homicídios, ameaças, assaltos e adulteração de veículos, que garantiam a “tranquilidade” e o angariamento de fundos para os negócios ilícitos, além da utilização de cooperados para a combinação de ataques a antenas de telefonia.

Via CN7

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More