segunda-feira, 29 de junho de 2020

Criticada, lei das fake news entra na pauta do Senado nesta semana

O Senado deve votar na semana que se inicia o projeto da chamada lei das fake news. A proposta endurece as regras para abertura de conta em redes sociais, limita envio de mensagens em massa e determina que as empresas de tecnologia mantenha registros de compartilhamento de mensagens por 3 meses, entre outras providências.

Instituições da sociedade civil afirmam que o texto ameaça a liberdade de expressão e a privacidade na rede. Empresas gigantes da tecnologia, como Facebook, Google e Twitter, também criticaram o projeto.

A votação está agendada para 3ª feira (30.jun.2020) às 16h. A proposta é o PL (projeto de lei) 2.630 de 2020. Os senadores avaliariam o texto na última 5ª feira (25.jun.2020), mas o compromisso foi adiado.

Havia discordâncias em torno do relatório elaborado por Angelo Coronel (PSD-BA) sobre o projeto. Os senadores tinham tido pouco tempo para analisar a última versão (leia a íntegra, 929 KB).

A proposta cria meios de identificar contas em redes sociais e outros serviços para facilitar o rastreio de possíveis criminosos. Também restringe a quantidade de vezes que uma mensagem pode ser compartilhada, e o número de pessoas em grupos de mensagens. O infográfico a seguir explica de forma esquematizada:
As empresas de tecnologia também ficariam obrigadas a guardar os registros da cadeia de compartilhamentos de mensagens dos usuários por pelo menos 3 meses. Esses dados seriam usados para rastrear correntes que infrinjam as regras.

A firma que não cumprir as determinações da nova lei, caso ela seja aprovada e passe a vigorar, poderão ser multadas em até 10% do faturamento no Brasil. Em casos mais graves, pode ser determinada até a suspensão das atividades.

Chegou a ser incluída no projeto punição para políticos que propagarem conteúdo manipulado e outras condutas. Esse trecho, porém, foi retirado do relatório.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Facebook, Google, Twitter e WhatsApp assinaram nota conjunta na qual criticam a proposta. Dizem que o texto de Coronel promove “coleta massiva de dados das pessoas“, o que levaria ao “aprofundamento da exclusão digital” e colocaria em risco a “privacidade e segurança de milhares de cidadãos”.

A ameaça a privacidade viria, por exemplo, da necessidade de as empresas guardarem os registros de mensagens. Esse armazenamento, sem que haja acusações contra o usuário, também feriria a presunção de inocência.

Também criticam o projeto entidades da sociedade civil ligadas à infância e à juventude. Afirmam que o projeto restringe o acesso à internet. Ainda, seria uma ameaça a “direitos fundamentais como a liberdade de expressão e a privacidade dos cidadãos e cidadãs”. Leia a íntegra (610 Kb).

O infográfico a seguir sintetiza efeitos que, se aprovada, a lei pode ter:
Caso o Senado aprove o projeto, ele precisará passar pela Câmara. Se avalizado pelos deputados, ainda será necessária sanção presidencial.

(Poder360)

2 comentários:

"Chegou a ser incluída no projeto punição para políticos que propagarem conteúdo manipulado e outras condutas."

Perceberam, os políticos podem soltar todo tipo mensagens, mas não serão punidos. Só eles podem! Que bela democracia!...

As instituições que acreditam nas Fakes News é a mesma que diz que apoiadores virtuais do presidente Jair Bolsonaro são robôs, kkkkk Então eu robô de carne e osso e com CPF e residência fixa. Quem inventou essa palhaçada foi a oportunista e caroneira deputada Joice Hasselmann, sendo que ela esquece que foi eleita por bolsonaristas pq ela fingia ser apoiadora de Jair Bolsonaro.

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More