terça-feira, 18 de agosto de 2020

PF faz megaoperação no Ceará e mais 11 estados e no DF para prender quadrilha de narcotraficantes

A Polícia Federal realiza na manhã desta terça-feira (18) uma megaoperação contra o tráfico internacional de drogas em 12 estados e no Distrito Federal. São cumpridos 139 mandados de busca e apreensão e 50 mandados de prisão (20 prisões preventivas e 30 prisões temporárias) em 12 estados e no Distrito Federal.

O estado de São Paulo concentra a maior parte dos mandados, sendo 22 de prisão e 60 de busca e apreensão. O traficante Romilton Queiroz Hosi, preso em Jundiaí, no interior paulista, em março de 2019, foi peça-chave para deflagrar a operação desta terça-feira (18).

Batizada de “Além-Mar”, a operação também ocorre nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e no Distrito Federal.

Ao todo, cerca de 600 policiais atuam na operação. As investigações começaram há quatro anos pela Polícia Federal de Pernambuco.

Os policiais investigam o crime de lavagem de dinheiro, além de buscarem provas para confirmar o envio de drogas para o exterior e o uso de helicópteros para o transporte de cocaína pelo Brasil.

Segundo a PF, toneladas de cocaína foram exportadas para a Europa pelos portos brasileiros, especialmente no Porto de Natal no Rio Grande do Norte.

A Justiça Federal determinou a apreensão de aviões (7), helicópteros (5), caminhões (42) e imóveis (35) urbanos e rurais (fazendas) ligados aos investigados e ao esquema criminoso, além do bloqueio de R$100 milhões.

Bloqueio de bens

A Justiça Federal em Pernambuco determinou, já na manhã de hoje (18), o sequestro de sete aviões, cinco helicópteros, 42 caminhões e 35 imóveis urbanos e rurais ligados aos investigados por uma operação da Polícia Federal contra o tráfico internacional de drogas. Também foi ordenado o bloqueio judicial do valor de R$100 milhões.

A PF apontou que, mesmo diante da pandemia de Covid-19, o esquema criminoso não foi interrompido, tendo sido apreendidos entre os meses de março e julho mais de 1,5 tonelada de cocaína.

A PF investiga quatro organizações criminosas que atuavam para exportar toneladas de drogas para a Europa via portos brasileiros, especialmente através Porto de Natal.

Uma delas era sediada na cidade de São Paulo e é acusada de trazer cocaína para o Brasil através da fronteira com o Paraguai, levando por transporte aéreo até o estado. Outra, que atuava a partir de Campinas, recebia a droga internalizada no território nacional para distribuição interna e exportação para Cabo Verde e Europa.

A terceira quadrilha, segundo a Polícia Federal, era estabelecida no Recife e formada por empresários do setor de transporte de cargas, funcionários e motoristas de caminhão. Esse grupo criminoso era responsável pela logística de transporte rodoviário da droga e o armazenamento de carga até o momento de sua ocultação nos contêineres.

A quarta organização criminosa, estabelecida na região do Braz, na cidade de São Paulo, era uma espécie de banco paralelo, segundo a PF. A investigação aponta que ela disponibilizava uma rede de contas bancárias titularizadas por empresas fantasma, de fachada ou em nome de “laranjas”, para movimentação de recursos de origem ilícita.

O esquema

As investigações começaram em 2018 com informações repassadas pela National Crime Agency (NCA), do Reino Unido. A Polícia Federal explicou que, através de prisões em flagrante e apreensões de drogas ao longo das investigações, pode constatar que as ações criminosas eram divididas em três fases.

A primeira, que era a “internação”, era quando a cocaína entrava pela fronteira com o Paraguai e era armazenada no interior de São Paulo. Depois, vinha o “transporte interno”, quando o entorpecente seguia para as regiões de embarque marítimo e armazenamento em galpões. Por último, o transporte internacional, momento em que a droga era embarcada em navios de carga ou veleiros.

Durante a fase sigilosa das investigações foram presas 12 pessoas e apreendidas mais de 11 toneladas de cocaína, no Brasil e na Europa, relacionados ao esquema criminoso. Dentre esses presos estava um traficante que permaneceu foragido da justiça brasileira por 10 anos e era procurado pela Polícia Federal e NCA, do Reino Unido. Essa prisão ocorreu em 2019.

(Fernando Ribeiro)

1 comentários:

A turminha do "foro de são paulo" que governa o ceará deve esta um pouco preocupados....a casa pode cair.

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More