SOBRAL RASTREADORES - (88) 99975.7272 / 99299.9212

quarta-feira, 14 de abril de 2021

Mesmo vendo neto mancar, avó não confiou na versão de Henry

Mãe de Monique Medeiros omitiu à polícia relatos feitos pela babá da criança a ela e o fato de ter visto a criança mancando em sua casa.

As novas declarações da babá de Henry Borel, Thayná Ferreira, à Polícia Civil do Rio de Janeiro, mostram que não foi apenas ela quem omitiu ou mentiu a respeito de ter conhecimento das agressões sofridas pela criança de apenas 4 anos. Nos novos relatos, os agentes tomaram conhecimento de que a avó do menino, Rosângela Medeiros, de 62 anos, também sabia do fato.

Segundo reportagem publicada pela revista Veja nesta quarta-feira (14), Rosângela presenciou uma ocasião, no dia 13 de fevereiro, em que a criança mancava da perna esquerda e reclamava de dores na cabeça e no joelho. Enquanto pessoas da família questionavam o motivo para tal comportamento, a avó chegou a adverti-lo em público: “Para de bobeira, Henry! Anda direito!”, disse ela.

– Nunca vou me esquecer dele entrando em casa daquele jeito e dizendo que o joelho doía – disse uma pessoa do círculo familiar da criança, que preferiu não se identificar por medo de represálias.

Na semana seguinte, logo após o Carnaval, a babá Thayná de Oliveira Ferreira acompanhou o garoto em uma nova visita à casa de Rosângela. Ali, a cuidadora relatou à avó o real motivo por que o menino estava machucado, conforme afirmou em seu novo depoimento prestado à polícia na segunda-feira (12).

Entretanto, segundo Thayná, apesar de ter ficado assustada, Rosângela levantou a possibilidade de o menino estar mentindo, o que foi prontamente refutado pela babá. Ela reafirmou que Henry mancava, tinha dor na cabeça e apresentava uma mancha roxa no corpo após a sessão de espancamento.

A funcionária contou ainda que não insistiu muito no assunto com receio de que Monique achasse que estava fazendo “fofoca” para a mãe dela. Ao apresentar-se à polícia, em 24 de março, a mãe de Monique afirmou que o neto parecia feliz com o novo apartamento, para o qual ele e a mãe foram morar com Dr. Jairinho e disse que Henry “nunca chegou à sua casa machucado”.

O pai de Henry, Leniel Borel, confirma que Rosângela tinha plena consciência de que o neto estava sendo machucado por Dr. Jairinho. Ele conta que, na quarta-feira anterior à morte do filho, ao lado da avó e da babá, o menino ligou para ele e reclamou de novo de agressões que sofria por parte do namorado da mãe. “Tio Jairinho está me machucando”, disse a criança em voz alta.

Leniel conta que chamou a atenção da avó para esse fato e que ela novamente ignorou. O engenheiro disse que também conversou com Monique e, de novo, a ex-mulher rebateu dizendo que era invenção da criança e reflexo da separação dos dois.

O fato de a avó ter sido omissa diante do crime bárbaro contra o seu único neto motivou a revolta não apenas de Leniel e de alguns parentes próximos, mas, segundo pessoas ligadas à família, traficantes da Vila Kennedy, bairro carente da Zona Oeste do Rio, passaram a ameaçar Rosângela caso ela volte a trabalhar no Ciep 244 Tarso de Castro, que fica dentro daquela comunidade.

Até agora, a avó de Henry não foi convocada para um novo depoimento. Procurada pela Veja na terça-feira (13), Rosângela se recusou a falar. A avó de Henry chegou a abrir uma portinhola da fachada da casa e fechou em seguida, sem nada dizer. As últimas declarações sobre o caso mostram, no entanto, que ela sabe bem mais do que já declarou.

(Pleno News)

2 comentários:

Não só os assassinos da criança tem culpa, o pai também tem, a avó também tem, a criança reclamava com o pai e tudo q ele fazia era reclamar com a mãe ou com a avó, se ele tivesse dado parte na polícia, com certeza os assassinos ficariam com receio de mais espancamentos, todos tem culpa neste caso.

Duas cobras, polícia nelas.

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More