SOBRAL RASTREADORES - (88) 99975.7272 / 99299.9212

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

VÍDEO: Sindicato denuncia agressão a policial penal em curso no Ceará; Secretaria e coordenação negam

Vídeo no qual um policial penal do Ceará é golpeado repetidamente durante treinamento é alvo de denúncia pelo Sindicato dos Policiais Penais e Servidores do Sistema Penitenciário do Estado do Ceará (Sindppen-Ce). A entidade alega que o servidor foi "agredido e humilhado".

Nas imagens, que viralizaram nessa quinta-feira (16), dois homens trocam socos. Um deles, o policial penal que seria a vítima, cai repetidas vezes no chão, chegando até a bater a cabeça na parede.

O chamado juiz da luta, que era realizada com luvas de boxe, não deixava o servidor parar a briga, o erguendo por diversos momentos: "Vou ter que te segurar para tu não cair? Bora, levanta, levanta!".

Enquanto os fatos aconteciam, um grupo de homens, participantes do módulo, assiste. A presidente do Sindppen-CE, Joelia Oliveira, pontua que o caso mostra um "claro despreparo dos instrutores".

O caso aconteceu durante o Curso de Intervenção Rápida em Recinto Carcerário (CIRRC), executado pela Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), em parceria com a Força Integrada Penitenciária de Intervenção (Fipi).

Em nota, a SAP diz que, após 20 dias de curso, nenhum policial "apresentou qualquer tipo de dano que comprometesse sua integridade física e capacidade laboral".

"CLARAMENTE AGRESSÃO", DIZ SINDICATO

Joelia Oliveira, presidente do Sindppen-CE, afirma, em entrevista ao Diário do Nordeste, que nunca viu este tipo de conduta dentro do CIRRC. Ela relata ter ficado "assustada".

"Até um leigo percebe que o servidor não tinha mais condições de combate. Ali foi claramente uma agressão, e o Sindicato repudia todo e qualquer ato que humilhe e ponha em risco a integridade física do trabalhador"

JOELIA OLIVEIRA
Presidente do Sindppen-CE

A gestora sindical destaca a importância do curso, que serve para ensinar táticas para intervir em conflitos como motins ou rebeliões de internos em presídios. No entanto, ela comenta que as imagens não mostram esse intuito.

"Na minha avaliação foi despreparo. Ali eu não vejo nada que contribua para o trabalho que hoje é desempenhado nas unidades. Eu vejo agressão. É levar a pessoa à exaustão", critica.

CGD ANALISARÁ IMAGENS

Questionada sobre a denúncia, a Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD) informou, em nota, que analisará as imagens do treinamento "para apurar se o caso terá consequências funcionais".

A Pasta pontuou que o fato é apurado pela SAP, "visto que se trata de um episódio, segundo o ordenamento jurídico, 'interna corporis'".

COORDENADOR REBATE ACUSAÇÕES

Maiquel Mendes, que se apresenta como coordenador da última turma do CIRRC, divulgou vídeo rebatendo as acusações do Sindppe-CE, as quais ele classifica como "levianas".

Ele indica que o vídeo foi gravado durante uma disciplina chamada "Combate corpo a corpo", que busca fornecer instruções de como os policiais podem se defender e ainda treinar luta, para eventuais ocorrências.

"Em momento nenhum o treinamento tem o viés de tripudiar ou humilhar alguém. Muito pelo contrário. A nossa missão sempre foi treinar e capacitar o policial para que ele seja um servidor público cada dia melhor"

MAIQUEL MENDES
Coordenador do curso

Para Mendes, o sindicato foi "leviano e mentiroso", pois em nenhum momento ele foi procurado, enquanto coordenador, para esclarecer algum fato.

"Mentiram porque disseram que aconteceu após o curso, e foi durante. Se alguém tinha de repudiar alguma coisa seriam os policiais penais, ao sindicato leviano que não faz nada pela categoria. Pelo contrário, com esse tipo de atitude enfraquece os policiais", comenta.

DEFESA PESSOAL

Ainda por nota, a SAP informa que a aula prática de defesa pessoal — capturada no vídeo —, faz parte dos módulos de formação do CIRRC.

Conforme a pasta, "as aulas de defesa pessoal são mediadas por instrutores capacitados na modalidade". A secretaria diz ainda que é garantido o "apuro técnico e a preservação da integridade física dos participantes".

O Sindppen, por meio da presidente Joelia Oliveira e também de nota de repúdio publicada nas redes sociais, pondera que o trabalho a ser realizado com policiais penais deve ser voltado para um "ambiente carcerário decente", com cuidados físicos e psicológicos.

"O Sindppen-CE busca melhorias para a categoria desde sua fundação. Não podemos aceitar esse tipo de conduta inadequada da parte de colegas de farda que têm a mesma vivência de luta e trabalho dentro do Sistema Penitenciário", diz nota.

A entidade também "exige" da SAP a implementação de medidas "para coibir excessos nos treinamentos especializados para capacitação de policiais penais".

VEJA NOTA DA SAP NA ÍNTEGRA:

A Secretaria da Administração Penitenciária informa que a aula prática de defesa pessoal é um dos módulos de formação dos policiais participantes do Curso de Intervenção Rápida em Recinto Carcerário. Assim como em todos os módulos, as aulas de defesa pessoal são mediadas por instrutores capacitados na modalidade, o que garante apuro técnico e preservação da integridade física dos participantes. Por fim, a SAP comunica que, após 20 dias de curso, nenhum policial que passou pelo CIRRC apresentou qualquer tipo de dano que comprometesse sua integridade física e capacidade laboral.

CONFIRA NOTA DA CGD NA ÍNTEGRA:

A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD) informa que esse fato está sendo apurado pela Secretaria da Administração Penitenciaria (SAP), visto que se trata de um episódio, segundo o ordenamento jurídico, “interna corporis”. No entanto, as imagens do vídeo que circula nas redes sociais serão analisadas para apurar se o caso terá consequências funcionais.

(DIÁRIO DO NORDESTE)

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More