sábado, 9 de julho de 2022

"Era nosso aliado ou é nosso aliado, ainda não sei direito", diz Ciro Gomes sobre relação com Camilo

Em meio a um cenário de incertezas sobre a manutenção da aliança entre PT e PDT no Ceará, o presidenciável Ciro Gomes (PDT), durante entrevista nesta quinta-feira (8), disse não ter certeza se o ex-governador Camilo Santana (PT) continua sendo seu aliado no Estado.

O impasse se dá enquanto há uma pressão pública do Partido dos Trabalhadores para que a governadora Izolda Cela (PDT) concorra à reeleição, enquanto a cúpula pedetista já demonstrou preferência pelo nome do ex-prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio, do mesmo partido.

Falando ao Avesso Podcast, o ex-ministro foi questionado sobre a continuação das ações do seu grupo político a partir do resultado das Eleições 2022 no Ceará.

Ciro disse que o projeto "está ameaçado", referindo-se à candidatura do deputado federal licenciado Capitão Wagner (UB). Ao mencionar o ex-governador Camilo, que deixou o cargo em abril para disputar vaga no Senado, Ciro se referiu a ele como um ex-aliado. "Era nosso aliado, ou é nosso aliado. Ainda não sei direito como é que vai desdobrar isso lá", destacou.

O pedetista também fez ataques ao pré-candidato a presidente do PT, Lula, a quem acusou de ser responsável pelo impasse, e ao ex-senador Eunício Oliveira (MDB).

"Lula é tão irresponsável que está lá se acertando com Eunício e já pegou o governador de lá - já prometeu que vai ser ministro - que era nosso aliado, ou é nosso aliado. Ainda não sei direito como é que vai desdobrar isso lá. Está lá a confusão danada produzida pelo Lula", disse Ciro.

Mesmo que ainda não tenha demonstrado publicamente sua preferência pela reeleição de Izolda frente à pré-candidatura de Roberto Cláudio, Camilo vem dando sinais de que, internamente, o seu apoio é pela atual governadora na sucessão.

Em outras oportunidades, Ciro Gomes já chegou a dizer que o deputado federal e vice-presidente nacional do PT, José Guimarães, "seja feliz", caso o PT não aceite a indicação do PDT para a disputa.

CLIMA DE DEFINIÇÃO

Nesta quinta-feira (7), uma série de declarações públicas indicaram que, internamente, os agentes políticos demarcam posição para definir em breve um nome de consenso.

Nas redes, a governadora Izolda disse que coloca o seu nome "para unir". Através de comunicado, sete partidos anunciaram união em torno do nome da governadora.

Ao mesmo passo, o presidente do PDT cearanse, deputado federal André Figueiredo, afirmou, já nesta sexta, que "não haverá chances para atraso".

Fonte: Diário do Nordeste

4 comentários:

Isso é a política, se aliam, desaliam e quem se ferra somos nós que não temos dinheiro, que temos apenas um sub emprego ou que temos que babar alguém para sobreviver.

Exatamente, político nenhum liga pro povo e ainda tem besta que fica fazendo papel de palhaço gritando "Mito" ou "Lula lá". Isso é que é gostar de ser trouxa

é Bolsonaro seu trouxa, lula nunca mais!!!

kkkkk já apareceu imbecil defendendo seu politico de estimação. Brasil não tem jeito mesmo

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More