ATENÇÃO! NÃO PERCA SEU VEÍCULO PARA A BANDIDAGEM!

ADQUIRA JÁ O RASTREADOR E BLOQUEADOR EM TEMPO REAL: FALE COM O KELTON OU LIGUE (88) 99975.7272/99299.9212. CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS

domingo, 24 de março de 2019

Adolescente passa por "autotransplante" de medula óssea no Ceará

Iasmin Souza da Silva lutava contra um linfoma de Hodgkin desde 2015, quando tinha nove anos. A doença é um tipo de câncer que ataca o sistema linfático. O procedimento foi realizado com sucesso este mês.

Iasmin Souza da Silva escreveu em uma carta "muito obrigada a todos por fazer desses momentos difíceis, momentos alegres de descontração, sou muito grata a todos por toda dedicação que tiveram comigo". Palavras de uma menina de 13 anos que se tornou a paciente mais nova a passar por um "autotransplante" de medula óssea, na rede pública do Ceará, para se curar de um linfoma de Hodgkin, um tipo de câncer que ataca o sistema linfático do paciente.

A família espera que esse tenha sido o ponto final de uma batalha que iniciou em 2015. "Ao mesmo tempo, sinto uma calma por saber que minha filha está com saúde e esperança de vida novamente. Eu só tenho a agradecer a toda a equipe que cuidou da Iasmin com tanto carinho", completa Vânia Souza, mãe da menina.

De acordo com a Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa), o transplante era a única alternativa para salvar a vida da garota. E conforme o hematologista Fernando Barroso, ela já havia sido submetida a várias sessões de quimioterapia, que não apresentavam mais o resultado esperado. "Em algumas situações, como neste caso, o transplante é indispensável porque o organismo já não respondia à quimioterapia", completa o chefe da hematologia e do transplante de medula óssea do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC).

Autotransplante

A adolescente passou por um processo conhecido como "transplante autólogo" ou "autotransplante", procedimento que consiste em remover células da própria paciente e depois refundi-las ao organismo novamente.

"Você coleta o material, as células, e depois, em um momento ideal, elas são refundidas, após uma quimioterapia bastante agressiva. Essas células vão se transformar em células normais. Por exemplo leucemia é diferente. Como a medula está doente, a gente precisa de uma célula sadia de outra pessoa", complementa Fernando, coordenador do Centro de Processamento de Células do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce).

De acordo com a Sesa, são cerca de 40 profissionais de saúde envolvidos no transplante. Fernando ainda explica que o trabalho em equipe é essencial para o sucesso do procedimento. "Nossos esforços em conjunto, tanto do Hemoce, como da equipe de transplante do HUWC, foram fundamentais para realizar o primeiro procedimento em uma paciente dessa idade. Esse foi o primeiro caso (de transplante em adolescente) da nossa equipe e teve ótimos resultados", finaliza Fernando Barroso.

Recuperação

Na carta escrita para agradecer os cuidados que recebeu, Iasmin dedica: "em meu nome, da minha família, de amigos e até desconhecidos, agradeço aos médicos, técnicos e enfermeiros, que lutaram, oraram, sofreram e por fim, por causa de vocês, hoje podem sorrir comigo, celebrando a vida", dedica.

O transplante aconteceu no dia 1º de março, e no último dia 14, Iasmin saiu do hospital para casa - após passar um mês internada, devido ao período pré-operatório. "Ela não está sentindo febre nem dores. Só sente cansaço no corpo que é normal porque ela tem muitas medicações a tomar ainda", revela Vânia.

Nos últimos dez anos, houve 427 transplantes de medula óssea, sendo 329 autólogos, 78 alogênicos aparentados, 14 alogênicos não aparentados e 6 haploidêntico no Ceará, por meio dessa parceria.

(Diário do Nordeste)

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More