SOBRAL RASTREADORES - (88) 99975.7272 / 99299.9212

segunda-feira, 12 de julho de 2021

Cidadãos fazem protesto em Cuba contra governo comunista

Milhares de cubanos marcharam, no domingo (11), pelas ruas da pequena cidade de San Antonio de los Baños, a 33 km da capital, Havana, no primeiro protesto contra o governo desde a manifestação de 1994, que ficou conhecida como “maleconazo”.

A marcha pacífica, que ocorreu em meio a uma grave crise econômica e sanitária em Cuba, foi interceptada pelas forças de segurança e partidários do governo, o que levou a violentos confrontos e a prisões.

Além de em San Antonio de los Baños, um pequeno município rural de 50 mil habitantes, também foram registrados pequenos protestos nos municípios de Güira de Melena e Alquízar (na Província de Artemisa), Palma Soriano (em Santiago de Cuba) e em alguns bairros de Havana.

Gritando “pátria e vida”, título de uma canção polêmica, bem como “abaixo a ditadura!” e “não temos medo”, os manifestantes, a maioria jovens, caminharam pelas ruas da cidade para comunicar sua frustração por meses de crise, restrições por causa da pandemia e o que eles qualificam de negligência do governo.

– Ai, meu Deus! – ouve-se, em um vídeo, uma mulher dizer enquanto a passeata passa por ela aos gritos de “queremos liberdade” e insultos ao presidente cubano, Miguel Díaz-Canel.

O presidente cubano foi no domingo a San Antonio de los Baños e, reunindo-se com partidários em uma praça da cidade, atribuiu ao embargo dos EUA a falta de alimentos e de remédios na ilha.

No fim da tarde, Díaz-Canel falou à nação pela TV e acusou os Estados Unidos de serem os responsáveis pelo protesto. Ele enviou as forças especiais às ruas da capital, pediu a seus apoiadores que enfrentem as “provocações” e disse que seus partidários estão dispostos a defender o governo com sua própria vida.

– A ordem está dada. Às ruas, revolucionários – incentivou.

Também no domingo, os exilados cubanos manifestaram seu apoio aos protestos em Cuba e pediram aos Estados Unidos que liderem uma intervenção internacional para evitar que os manifestantes sejam vítimas de “um banho de sangue”.

– Chegou o dia em que o povo cubano se levantou – disse Orlando Gutiérrez, da Assembleia de Resistência Cubana, uma plataforma de organizações opositoras de dentro e de fora da ilha.

Gutiérrez, que vive exilado em Miami e também preside o Diretório Democrático Cubano, destacou que, segundo suas fontes em Cuba, ocorreram protestos em mais de 15 cidades da ilha.

– Está muito claro o que o povo de Cuba quer: que termine esse regime – afirmou.

A Assembleia de Resistência Cubana exortou o povo a permanecer nas ruas e pediu à polícia e às Forças Armadas que fiquem do lado do povo. Desde o começo da pandemia do coronavírus, os cubanos são obrigados a esperar em longas filas para obter alimentos, uma situação que se somou a uma grave escassez de medicamentos, o que desencadeou um mal-estar social generalizado.

Cuba registrou no domingo mais um recorde de infecções por Covid-19 em 24 horas, com 6.923 novos casos e 47 mortos. Desde o início da pandemia, o país registrou 238.491 infecções e 1.537 mortos, segundo números do governo.

– São números alarmantes, que aumentam a cada dia – disse o chefe de epidemiologia do Ministério de Saúde cubano, Francisco Durán.

A situação é especialmente tensa na província turística de Matanzas, localizada a 100 km de Havana, onde o alto número de infecções pode causar o colapso dos serviços de saúde.

Com hashtags como #SOSCuba, #SOSMatanzas e #SalvemosCuba, os pedidos de ajuda se multiplicam nas redes sociais, até mesmo por parte de artistas e famosos. A população também pede ao governo que facilite o envio de doações do exterior. No sábado (10), um grupo de oposição pediu a criação de “um corredor humanitário”, iniciativa rapidamente rejeitada pelo governo.

*AE

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More