SOBRAL RASTREADORES - (88) 99975.7272 / 99299.9212

segunda-feira, 14 de dezembro de 2020

Fachin suspende tarifa zero na importação de armas no Brasil

Nesta segunda-feira (14), o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu a decisão do governo federal que zerou a alíquota de importação de revólveres e pistolas. A medida foi adotada pela Câmara de Comércio Exterior (Camex), vinculada ao Ministério da Economia.
Ministro Edson Fachin, do STF Foto: Agência Brasil/Tânia Rêgo

A decisão de Fachin atende a um pedido feito pelo PSB, que acionou o Supremo para barrar a medida que entraria em vigor no dia 1º de janeiro. Com isso, fica mantida a alíquota atual de 20% obre o valor da arma para importações.

A decisão de Fachin atende a um pedido feito pelo PSB, que acionou o Supremo para barrar a medida que entraria em vigor no dia 1º de janeiro. Com isso, fica mantida a alíquota atual de 20% obre o valor da arma para importações.

O ministro também determinou que sua decisão seja submetida ao plenário do STF. Ainda não há, no entanto, uma data para a análise do assunto.

“Ausentes as condições delineadas, conclui-se pela verossimilhança da alegação de que a redução a zero da alíquota do imposto de importação sobre pistolas e revólveres, por contradizer o direito à vida e o direito à segurança, viola o ordenamento constitucional brasileiro”, escreveu Fachin.

Ele ainda apontou que “é inegável que, ao permitir a redução do custo de importação de pistolas e revólveres, o incentivo fiscal contribui para a composição dos preços das armas importadas e, por conseguinte, perda automática de competitividade da indústria nacional; o que afronta o mercado interno, considerado patrimônio nacional, (…) e causa não razoável mitigação dos direitos à vida e à segurança pública”.

A resolução que zerava a importação de armas foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) na quarta-feira (9). A isenção, entretanto, não inclui pistolas lança-foguetes, armas que são carregadas pela boca, revólveres para tiros de festim e armas de ar comprimido ou de gás.

A flexibilização da posse e porte de armas foi uma das principais bandeiras adotadas pelo governo durante à campanha. Em fevereiro de 2019, logo no início do mandato, o presidente Jair Bolsonaro emitiu um decreto permitindo a importação de armas, o aumento do número de munições e a possibilidade de porte em mais locais do que o da antiga lei.

(Agência Brasil)

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More