quinta-feira, 19 de janeiro de 2023

Aluna ganhou 5 vezes na loteria após desviar verba de formatura

A aluna da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) acusada por colegas de ter desviado quase R$ 1 milhão arrecadados para a formatura da turma, ganhou cinco vezes na loteria em 2022 com apostas feitas após transferir, no fim de 2021, o montante pertencente aos estudantes para sua conta pessoal.

De acordo com a Polícia Civil, Alicia Dudy Muller Veiga, de 25 anos, faturou, no total, R$ 326 mil em premiações da Lotofácil depois de realizar dezenas de jogos de alto valor em uma lotérica da Zona Sul de São Paulo entre abril e julho de 2022.

Na última vez que tentou fazer uma aposta, Alicia teria dado um golpe no estabelecimento, causando um prejuízo de R$ 192 mil ao comércio, segundo apuração da Delegacia Especializada em Investigações Criminas (Deic) de São Bernardo do Campo, onde a ocorrência foi registrada pelos donos da lotérica.

A descoberta dos prêmios ocorreu após a abertura de inquérito policial, ainda em julho de 2022, para apurar o suposto golpe da jovem contra a lotérica. Segundo relataram os proprietários do estabelecimento à polícia, Alicia vinha, desde abril, fazendo apostas de cerca de R$ 9 mil diariamente.

Em 12 de julho de 2022, quando a jovem já havia gastado cerca de R$ 461 mil em apostas e até feito amizade com os funcionários da lotérica, ela tentou fazer um conjunto de jogos na Lotofácil no total de R$ 891,5 mil. Para isso, apresentou, como prova do pagamento, um agendamento de transferência via Pix. As funcionárias, então, começaram a registrar os jogos e entregar os comprovantes.

A gerente do estabelecimento, no entanto, desconfiou da situação e questionou a estudante sobre quando o dinheiro cairia. Ainda de acordo com a polícia, a aluna de Medicina tentou “ludibriar” os funcionários da lotérica ao mostrar um comprovante de transferência no valor de R$ 891,53, mas a gerente ordenou que as apostas fossem interrompidas.

Alicia, porém, já havia recebido os comprovantes de R$ 193 mil em apostas mesmo tendo pago à lotérica somente os R$ 891,53. Ela saiu do local com os canhotos das apostas que conseguiu efetuar e o estabelecimento amargou prejuízo de R$ 192 mil reais, o que fez seus donos procurarem a polícia, que abriu inquérito contra a moça por suspeita de lavagem de dinheiro e estelionato.

Foi tentando desvendar a origem do dinheiro usado nas apostas de Alicia que a delegada Katia Regina Cristofaro Martins, da Deic de São Bernardo, chegou à informação de que ela havia ganhado cinco vezes na loteria.

– Solicitamos informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) [que monitora transações financeiras] e vimos que ela havia recebido vários prêmios, mas, como eram valores de origem lícita, isso não dizia muita coisa – afirmou Katia ao jornal O Estado de São Paulo.

Até então, a delegada e sua equipe não tinham a informação sobre a possível apropriação indébita de quase R$ 1 milhão dos alunos de Medicina da USP por parte da Alicia.

– Fiquei sabendo desse fato novo na última sexta-feira (13). Agora temos uma pista da origem do dinheiro e pretendo colher depoimento dos alunos da comissão de formatura e da empresa envolvida – declarou.

DESVIO DE VERBA DE FORMATURA

De acordo com membros da comissão de formatura, o dinheiro para a formatura vinha sendo arrecadado pela empresa Ás Formaturas há quatro anos. No fim de 2021, Alicia, que era presidente da comissão, solicitou a transferência dos valores para uma conta pessoal dela sem o aval de outros estudantes integrantes do grupo.

– Ninguém sabia até o dia 6 de janeiro de 2023 que ela havia retirado dinheiro da conta da Ás – disse um representante da comissão que não quis ser identificado.

No último dia 6, data em que o grupo soube da transferência, foi quando Alicia informou, por meio de uma mensagem de WhatsApp no grupo da comissão, que havia perdido todo o dinheiro. Em nota assinada por todos os alunos da comissão, o grupo afirma que Alicia descumpriu “o Estatuto ao movimentar esse montante sem a assinatura de nenhum outro membro e transferindo-o a uma conta pessoal sua”.

Aos colegas, Alicia declarou que sacou o dinheiro da conta da empresa porque ela não estava prestando um bom serviço e decidiu investir o recurso junto à corretora Sentinel Bank, de quem teria, posteriormente, sofrido um golpe. A estudante investigada disse que a instituição financeira sumiu com cerca de R$ 800 mil e que o restante do valor foi gasto por ela com advogados.

A empresa Ás Formaturas afirmou que “todas as transferências foram realizadas rigorosamente conforme estabelecido nas cláusulas contratuais” e disse estar “à disposição das autoridades para o fornecimento de contratos, documentos, emails e demais informações”.

O jornal O Estado de São Paulo tentou contato com Alicia por ligação e mensagem, mas não obteve retorno. As chamadas caíram na caixa postal e as mensagens não foram respondidas. O veículo também não conseguiu localizar representantes do Sentinel Bank.

*AE

0 comentários:

Postar um comentário

Comente esta matéria

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More